Álvaro Damião

Coluna do Álvaro Damião

Veja todas as colunas

Até que enfim, um gol!

13/08/2019 às 10:35
Até que enfim, um gol!

A última rodada foi de quebrar jejuns. No Atlético, Ricardo Oliveira, desencantou.  Depois de 15 jogos sem marcar, o pastor balançou as redes na partida contra o Fluminense no último sábado (10), no Independência. Ótimo para o jogador e para a torcida. O camisa 9 volta a ter confiança para finalizar e a torcida se sente mais segura com um jogador tão importante e finalizador. 

É claro que um jejum de 107 dias sem marcar gols incomodava o jogador. Não tenho a menor dúvida disso. A torcida, ainda que brava em alguns momentos, sempre confiou no pastor. Afinal, ao todo são mais 700 jogos com quase 400 gols na carreira. Uma hora o gol ia acontecer. 

No Cruzeiro a última partida também foi de quebra de jejum. Até que enfim o gol saiu! Foram oito jogos sem comemorar ao menos um gol. Acabou a pior sequência da história do Cruzeiro. Pedro Rocha e Sassá marcaram os gols que fizeram o torcedor celeste soltar o grito depois de mais de 800 minutos. O último gol da Raposa tinha sido no dia 11 de julho, na vitória por 3 a 0 diante do Atlético, no jogo de ida das quartas de final da Copa do Brasil. Outro ponto positivo é que Cruzeiro não foi derrotado! Mesmo que o empate não seja o melhor dos resultados, o ponto conquistado diante do Avaí no último domingo (11) trouxe mais confiança para o elenco, diretoria e torcida. 

E por falar em Cruzeiro, o time celeste está de treinador novo. Rogério Ceni, o “carrasco” da raposa agora irá vestir as cinco estrelas. Não era o nome mais cotado e desejado pela torcida. Nas redes sociais, pela experiência, muitos desejam Dorival Júnior. Entendo o lado do torcedor celeste. Com uma situação extremamente delicada no Campeonato Brasileiro, o que se esperava era a chegada de alguém mais “vivido” como técnico e que tenha gestão de grupo. Afinal, o Cruzeiro precisa colocar a casa em ordem. Por outro lado, acho que a diretoria escolheu bem o nome de Ceni. Não é um treinador com muita experiência profissional, mas é indiscutível a seu conhecimento e qualidade. No Fortaleza, foram 94 jogos oficiais, 51 vitórias, 18 empates e 25 derrotas. Ou seja: um aproveitamento de 60,63%. Os números mostram que Ceni desenvolve um trabalho sério e comprometido por onde passa. Rogério fez história no Leão e saiu com a consciência limpa. Ele revolucionou o tricolor, mudou a mentalidade de clube. 

Ceni chegou para fazer a diferença na Toca da Raposa. Que assim seja! Só posso lhe desejar boa sorte e sabedoria! E ao torcedor cruzeirense, deixo um recado: o futuro do Cruzeiro não está apenas nas mãos de Ceni. A responsabilidade é de todos! 

Tamo junto e até a próxima!

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Bolsonaro provoca presidente da OAB: 'Posso contar como o pai dele desapareceu' https://t.co/VL1QAuI1sI https://t.co/uO2itrIBJh

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link