Gustavo Lopes

Coluna do Gustavo Lopes

Veja todas as colunas

Times mineiros: verdades sem firulas

21/04/2019 às 10:53
Times mineiros: verdades sem firulas

Campeonato mineiro chegou ao fim com a consagração do bicampeonato do Cruzeiro de forma invicta.

O resultado dentro do campo diz muito mais do que a vitória do melhor time, mas fala de como o futebol é tratado fora das quatro linhas.

Contra números não há argumentos, e o Cruzeiro é, indiscutivelmente, o clube mais vitorioso de Minas Gerais. 

São duas Libertadores, três brasileirões, uma Taça Brasil, cinco copas do brasil, além de supercopas, mineiros e etc.

Tanto sucesso nunca é por acaso. O Cruzeiro há décadas tem dado lição de gestão esportiva, e os resultados têm chegado naturalmente.

Fala-se muito das dívidas e dos valores pagos a Itair Machado.

Com todas ressalvas que se podem fazer, cada centavo devido tem valido muito para os torcedores cruzeirenses. 

Quem pode se dar ao luxo de duas copas do brasil e dois mineiros sobre seu maior rival na sequência?

Um time de futebol não vive de “caixa cheio”, mas de títulos.

Enquanto o Cruzeiro repatriou Rodriguinho e Pedro Rocha, o Atlético trouxe Maicon Bolt e Guga. Não há comparação.

O Atlético voltou à prateleira de cima do futebol brasileiro com a Libertadores. O América tem crescido ano após ano e não deve demorar a se consolidar na Série A do Brasileirão.

Porém, tanto Atlético quanto América precisam aceitar e se adequar à suas realidades. 

Para o Atlético, estar na Libertadores já foi um grande feito. Logo, entrar na competição falando em título é irreal. 

O América, quando sobe para a Série A, precisa ter em mente que não cair é igual a um título, em vez de adotar discurso de vaga na Sul-Americana.

Não se pode “vender” para a torcida uma ilusão que não pode ser entregue, até porque a diretoria e os atletas acabam acreditando e os resultados tendem a ser terríveis. 

Não adianta terceirizar a culpa. Não foi o VAR, não foi o árbitro. Foi o que o clube conseguiu entregar. 

Assumir os erros e as limitações é o primeiro passo para melhorar, e enquanto Atlético e América não o fizerem viverão à sombra do Cruzeiro.

Sem dúvidas que Atlético e América tem se desenvolvido muito com centros de treinamento de excelência e contratação de grandes profissionais, mas precisam aceitar que ainda há um longo caminho a ser percorrido e, para tanto, é indispensável se situarem no tempo e no espaço e, principalmente, terem paciência e perseverança.

O Cruzeiro começou esse trabalho nos anos 90. Os frutos tem sido colhidos.

A diretoria do Cruzeiro não se arriscou contratando ex-jogadores para cargos e funções capitais e trouxe logo uma raposa (sem trocadilho). 

Itair Machado provou (de novo) que entende de futebol e de mercado. O resultado está aí: título atrás de título.

No futebol não há espaço para amadorismo, e o Cruzeiro conhece bem essa cartilha. Por isso é o clube mais vitorioso de Minas e um dos maiores do Brasil.

Essa é a verdade e, enquanto Atlético e América não compreendê-la e não aceitá-la, continuarão batendo palmas para o rival ou jogando culpa no VAR, na arbitragem etc.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link